StanceBoss day – Part 1

     Não estranhem o título, afinal de contas este artigo só faz sentido acompanhado da segunda parte. E porquê? Passemos a explicar de seguida. Como sabem a All Wheels Photography é uma equipa de dois elementos sediada na zona de Lisboa e Margem Sul. No entanto, a maioria dos contactos e clientes tem sido da zona mais a norte do país, nomeadamente Grande Porto e arredores, o que faz com que as habituais sessões fotográficas tenham de ser muito bem programadas de forma a não terem custos descontrolados quer para os clientes, quer para a nossa equipa. Assim sendo, tentamos sempre juntar alguns carros numa só deslocação, para pouparmos alguns euros aos donos dos mesmos, o que foi o caso. Já desde a segunda sessão fotográfica a um dos membros da «família» StanceBoss, no caso o BMW E46 do Fábio Ferreira (ok, mesmo dono deste E36 apelidado de Send Nudes Mobile) que a ideia de continuar a captar em fotografia os projectos deste grupo foi crescendo (voltando atrás, o primeiro foi o Srie 1 cabrio do Michael Vieira).

«Send Nudes», a expressão que identifica este E36.

     Em maio, por altura do Drop’pt, fotografámos o terceiro carro, o Peugeot 208 do Fábio Monteiro e a ideia descrita anteriormente começa a desenhar-se e foi logo falado na possibilidade de voltarmos um dia ao norte do país para um dia cheio de carros, boa disposição e claro, fotografias. E assim foi, a meio de Agosto, que decidimos «apanhar» o comboio até à estação de Campanhã para passarmos o dia com este grupo de petrolheads do denominado stance. E como todos os nossos dias de trabalho fotográfico, começou bem cedo, com o comboio a arrancar da Gare do Oriente pelas 8h. Às 11h em Campanhã esperávamos o 208 do Fábio Monteiro já com a suspensão a ar montada, novidade face à sua sessão fotográfica de Maio. O destino era Marco de Canaveses, terra onde esta família de amigos instalou a StanceBoss, numa garagem que fomos conhecer e onde tivemos o primeiro contacto com o BMW E36 cujas fotos já foram vendo. Mas há mais para ver.

A localização desta sessão fotográfica por si só constituíu um desafio à altura deste projecto com suspensão fixa.

    O BMW E36 é a terceira geração do familiar de segmento médio da BMW, a série 3 e esteve em produção sensivelmente 10 anos, entre 1990 e o ano 2000 tendo vindo substituir o E30 e sendo posteriormente trocado pelo E46. Foram comercializados em dezenas de mercados mundiais com várias variantes desde a sedan (mais vendida) ao coupe (como o que aqui vemos), passando pelo descapotável, carrinha e mais tarde, o compacto (de traseira curta). Em 1998 assistiu-se à coexistência do E36 com o E46, sendo mais fácil de encontrar versões do E36 bem equipadas e com extras já ao nível do modelo seguinte. Tal como a maioria dos automóveis, o E36 conheceu fases diferentes ao longo da sua comercialização, sendo comum encontrar modelos de uma fase com peças de outra, de forma a modernizar um pouco a imagem destes carros.

     Mas vamos saltar a parte em que vos enchemos as vistas com conversa sobre o desenvolvimento do carro na marca e passemos a este projecto que, como a própria palavra diz, tem bastantes alterações que, certamente, já se aperceberam. Este BMW E36 viu o seu desenvolvimento ser focado na competição, ou seja, alterações viradas não para ir a um trackday mas sim um estilo mais racing dentro do conjunto de alterações que definem a corrente de alterações stance. Claramente inspirado no DTM, o Fábio escolheu o E36 por ser uma base bastante versátil e por ser amante da marca da hélice (não se esqueçam do E46 que tem e ainda um bonito F22). Na nossa modesta opinião, o E36 a par do E46 e claro, do E30 são das melhores bases BMW para desenvolver projectos e este é um excelente exemplo.

     Chegados à base da StanceBoss, somos brindados com o «acordar» do bloco M52B25 (23i) que foi colocado neste E36 no lugar do 20i e foi intensamente recuperado e restaurado, com muitas peças novas, uma profunda revisão e a utilização de muito material de performance que eleva a potência deste bloco para valores muito interessantes para um carro com mais de 20 anos. Além do novo bloco, foi instalado um short shifter que melhora a condução deste BMW e intensifica o espírito de corridas vivido a bordo. Mas há mais! A linha em inox atribuí uma voz rouca, muito metálica que ressoa nas fachadas das casas de Marco de Canaveses e que deixa todos os transeuntes a olhar para o carro, a admirar o «bicho» que acabou de passar. Sim, tivemos direito a um excelente co-drive pelas ruas da zona e pelas estradas nacionais nas imediações e no fim, só se consegue soltar um “quero mais”!

E queremos mesmo mais; andar neste E36 fez-nos lembrar a fantástica tarde que tivemos também a bordo de um BMW, no caso um E21, no Alentejo.

    E depois da mecânica, podemos passar para a estética, onde o restauro da carroçaria, pintura e detalhes foi profunda também e focou-se não só na utilização de material original como de pormenores da época misturados com alguns componentes mais contemporâneos e modernos. Como já dissemos, o estilo DTM foi o pretendido para este E36 e isso está patente logo na frente, onde a estrela é o pára-choques M fase 2 com uma lâmina pronunciada da Maxton Design. Mais acima é o deletor de matrícula com a insignia BMW que chama à atenção, bem como as tampas dos faróis de nevoeiro, que acentua o look desportivo. Na base do pára-brisas é o autocolante da família StanceBoss que salta à vista e que nos atrai o olhar para o que se passa mais atrás.

    Mas antes, fotografamos as laterais onde as estrelas são, obviamente, as jantes. Principal ponto de discórdia neste projecto, as jantes OZ Breyton de 9 polegadas na frente (pneus 195/40) e 10 polegadas atrás (205/40) têm o símbolo… da Mercedes no centro. Estranho? Não… o termo é crossbranding e é algo que não destoa nem desvirtua o estilo aqui pretendido. As jantes prateadas combinam bem com o tom Artik Silver da carroçaria (também esta alvo de restauro, passando de azul para este lindíssimo tom de cinza). O aspecto mais agressivo é conseguido com a utilização de uma suspensão estilo coilovers monotubo com camber plates, camber arms e um ajuste de 6º negativos no camber das rodas traseiras. O resultado está à vista e olhar para este carro de trás é realmente fascinante.

       A par da inclinação das rodas traseiras, a sua largura é mais que evidente quando se perfila a vista deste ângulo. Mas mais impressionante que isso neste E36 só o grande spoiler GT Class 2 (LTW) com flap e o autocolante mais famoso da zona, o Send Nudes que, provavelmente, tornou este BMW internacionalmente conhecido. Os farolins full-red, a dupla ponteira em inox e o grande difusor inferior da Maxton Design montado no pára-choques M fase 2 completam o estilo de corrida e não fosse a matrícula e diríamos que estávamos a fotografar uma das estrelas do campeonato alemão de turismo dos anos 90.

    Com o calor a apertar e a hora de almoço a chegar, passamos para o interior. Aqui o estilo exterior de corrida inspirado no DTM é mantido, com o destaque para as baques Bride Low Max, fixas e cintos de quatro pontos Takata que, confessamos, serem muito difíceis de colocar para pessoas com mais de 75 kg’s e 1,75m, dado que ficamos tão encaixados nos bancos que não conseguimos «dar o jeito» para os colocar devidamente. Mas convém, dado que andar neste E36 é uma experiência com um nível de adrenalina impressionantes! Mas continuemos a falar deste interior. A manete de velocidades short-shifter tem uma pega perfeita e uma localização ímpar e é sem dúvida uma das alterações que mais contribui para o race car feeling deste E36. Isso e o volante OMP de três braços em alcântara, claro.

    Aliás, a bordo deste E36, conduzido em modo time-attack há três pontos a reter: não nos esquecemos deste BMW; não ouvimos o que nos dizem; não nos esquecemos deste BMW. E sim, este ponto repetido não é engano, é mesmo para dar ênfase ao facto de, quase um mês depois, continuarmos a recordar a vibração a bordo, o som metálico e o ressoar do gritar do bloco 23i são ingredientes únicos, que não conseguimos colocar em palavras. Tão grande foi o espanto e boa foi a experiência que nem nos ocorreu captar algumas imagens em vídeo para ajudar a passar esta imagem. O que é facto é que parte do dia fotográfico rapidamente passou e num instante estávamos sentados à mesa no restaurante Dany onde o grupo habitualmente se reúne à mesa.

     Ainda à mesa, conhecemos os planos do Fábio para este E36. Mais do que um projecto em progresso, trata-se de aperfeiçoar algo que está já muito bom. A agora na moda rollcage que neste E36 terá função física e será fixa e que obrigará a tirar os bancos traseiros, novas jantes (que neste departamento, acreditamos não ser apenas um set…), acrescentar as lâminas nas embaladeiras e alterar o spoiler traseiro para um do estilo rocket bunny. Mecanicamente levará mais uns «mimos» e no interior, forrar o tablier em alcântara para aquele estilo mais racecar. No fundo, tudo modificações que mantêm o estilo que é a chave do sucesso deste projecto e que o destaca dos restantes.

    E neste artigo, é isto que podemos dizer pois a tarde foi de volta de outro projecto. Mas este BMW E36 é um deleite para quem aprecia projectos automóveis. Tem a componente estética que lhe assenta muito bem, tem a parte mecânica que, acreditem, é uma adição fenomenal e responsável por apaixonantes momentos a bordo e tem ainda a importante parte da ligação entre o seu dono, Fábio, e o seu carro e claro, o seu grupo de amigos que tem como família. E este último ponto é, sem dúvida, o mais importante e que prezamos quando conhecemos a «malta dos carros». E os membros da StanceBoss são isso mesmo: malta dos carros, unidos como família.

Fica o «preview» para o próximo artigo.
error: Content is protected !!