Huracan

[O automóvel]

    Quando chega a altura de uma marca baptizar um novo carro pode ser dificil chegar a um nome que consiga invocar numa só palavra o carisma que o modelo terá (ou não). Se ha marcas que escolhem nomes de cidades ou siglas que se tornam miticas pela performance dos carros também há quem seja como a Lamborghini e nomeie os seus mais recentes modelos após touros que se tornaram lendas no folklore popular.

    Huracán, um touro espanhol conhecido pela sua coragem infinita e também, só por acaso, o deus Maia dos ventos e tempestades bem como a palavra para “Furacão” em espanhol. Certo, nome tem, mas será que fizeram mesmo um carro à altura desse nome? O tempo o dirá. Mas se há coisa que é certa nos carros da Lamborghini é que eles ficam gravados na história automóvel e nos sonhos de muitos pequenos e graúdos. Talvez nao seja o substituto ideal do poster do Diablo que muitos de nós tinhamos na parede (para isso temos o Sexto Elemento…) mas sem duvida que vai deixar a sua marca!

     Os números crus e duros conferem, por si só, dignidade para suceder ao Lamborghini mais vendido de sempre: 610 cavalos e 560 N.m de torque são agora retirados do mesmo V10 que equipava o Gallardo, isto na versão de tracção às quatro rodas. Na versão de condução mais hardcore, a de tracção traseira, o mesmo motor debita “apenas” 580cv’s e 533 “torques”.

[A miniatura]

    A marca Autoart tem vindo a aprimorar os seus metodos de fabrico há ja alguns anos e desta vez optou por fazer moldes em compósito. A vantagem deste metodo sao as folgas mais pequenas entre cada painel e isso contribui para o realismo da miniatura. Também contribui para o seu baixo peso e para a sua fragilidade. Os moldes mais normais em metal diecast conferiam rigidez estrutural e robustez o que dava mais liberdade de manuseamento em cada peça. Ao contrário da maioria dos resinados do mercado actual a Autoart com os compositos consegue manter as aberturas para o habitaculo, o que a nosso ver é um ponto positivo. As proporções estão correctas e os demais autocolantes sao bastante foto-realistas como tem vindo a ser hábito.

 

[O que gostamos]

    O facto da miniatura ser feita em compósito faz aumentar a precisão dos detalhes. As arestas sao mais vincadas, as folgas mais apertadas e os orificios mais profundos. A carroçaria deste Huracán apresenta varias arestas vincadas e representa sublinemente o design da casa de Sant’Agata Bolognese. O interior está bem decalcado, com destaque para o selector de velocidades do centro da consola.

    As jantes com os discos a imitar os carbo-cerâmicos do original bem como as maxilas a vermelho são dos pormenores mais atrativos. O compartimento do motor também está bem preenchido e detalhado assim como os interiores que, neste Rosso Mars, possuem detalhes a combinar com o exterior vermelho.

    Destacamos ainda os pormenores nos farois e farolins que retratam com realismo a tecnologia full led usada no modelo real.

[O que podia melhorar]

Os escapes estão interligados por pequenas “pontes” de plástico. Apesar de ser possivel de corrigir com alguma bricolage (coisa que não recomendamos de todo) é um detalhe que podia vir corrigido de fábrica e ajudava a justificar o preço que ronda os 200€ da miniatura…

 

[A apreciação final]

Com detalhes de encher a vista e a precisão das linhas aumentada pelo novo metodo de fabrico   este Huracán é uma excelente adição para uma colecção digna desse nome. Contudo, lembramos que há opções bem mais baratas no mercado e com bastante do rigor deste modelo mas por menos de metade do seu valor.

#8/10

error: Content is protected !!