GTI by APR

   Cliente satisfeito volta sempre. É com essa premissa sempre presente que nós fazemos o nosso melhor sempre que realizamos uma sessão fotográfica. Este objectivo é válido também para cobertura de eventos ou encontro de amigos, claro mas é nas sessões privadas que esta dedicação tem melhores resultados; prova disso são os vários clientes como o Diogo que depois de fotografarmos um dos seus automóveis, volta a mostrar interesse na All Wheels Photography para registar e realizar um artigo sobre um novo carro, neste caso novo projecto. E foi numa tarde chuvosa de Abril a fazer jus ao provérbio «Abril, águas mil» que resolvemos realizar esta sessão fotográfica a este fantástico Volkswagen Golf GTi. Curiosidade sobre este VW: a AWP foi a autora das fotografias do anúncio de venda que fez com que o Diogo o comprasse. Sempre dissemos que boas fotografias ajudam a vender, aqui está uma prova disso.

Pose agressiva neste desportivo de 230 cv + IVA.

     O Volkswagen Golf continua a ser um dos automóveis mais bem sucedidos de sempre. Atualmente na sétima geração, é o compacto familiar mais vendido no mundo quer em números absolutos, quer em países onde chega. É um modelo global que permite à Volkswagen encaixar biliões de euros enquanto cimenta a ideia de robustez, fiabilidade e qualidade de construção. E como em todas as marcas de automóveis, em cada geração de um modelo que é sucesso de vendas, existe a necessidade de superar a anterior versão e neste Golf essas novidades são sempre bem recebidas, dado que a estética conservadora se vai mantendo, sendo claro que um «novo» Golf é sempre um Golf e não outro modelo. Apesar da identidade da marca estar a ser generalizada entre os vários modelos da Volkswagen, o Golf mantém-se distinto e com a ajuda do departamento desportivo da marca, essa distinção torna-se mais evidente.

As jantes Bentley dão o toque de classe a este projecto. Falaremos delas mais abaixo

    A sétima geração do Golf assenta na plataforma já conhecida do grupo VAG, a MQB também usada no Audi A3, Seat Leon e Skoda Octavia. É mais leve que a sexta geração, maior e com mais habitabilidade no seu interior. A qualidade de construção melhorou com menor espaço entre painéis exteriores, borrrachas e plásticos com melhor tacto no interior e unidades motrizes mais económicas. Basicamente a cada geração o Golf aperfeiçoa-se e cimenta a sua posição de familiar compacto de confiança. Contudo, não estamos aqui para falar de um familiar «normal» conforme já viram nas diversas fotografias partilhadas até este parágrafo. Este é o Golf GTi Performance com uma série de alterações que lhe dão o bilhete de entrada na nossa secção de projectos.

O local das fotos pedia muitas fotos e de vários ângulos.

     O GTi é um automóvel desportivo, com uma vertente também utilitária dado que tem uma boa bagageira, espaço para cinco adultos e é capaz de até ser económico mas… este GTi não é um banal GTi de 230 cavalos. Tem uma potência um pouco superior, podemos dizer até bastante superior. Já é conhecida a capacidade de «dilatação» da potência destes motores e existem várias marcas no mercado a disponibilizar hardware e software para os 2.0 TFSi. Neste caso concreto foi a APR, empresa americana de engenharia automóvel que opera desde 1997 com a Porsche, Volkswagen e Audi e produz material de performance para estas marcas. Além da alteração electrónica e mecânica da APR, este GTi conta com linha Bull X e uma Intake R600 que ajuda a superar e muito a potência de origem deste Golf.

    Depois de falarmos das capacidades dinâmicas apuradas deste GTi, vamos falar (ou escrever) sobre as restantes alterações e detalhes que fazem do Golf aqui presente um dos mais interessantes projectos a passar por aqui e que prova a teoria defendida por muitos dos aficionados da arte de personalização de que basta uma boa suspensão aliado ao set up de jantes e pneus correcto para se conseguir um encaixe perfeito, o chamado fitment. E sem dúvida que é o encaixe neste caso que atrai as atenções. As jantes Bentley de 20 polegadas e com 9 de largura envoltas em borracha Nankang 215/30 criam um aspecto invejável, tal como os fãs destas alterações gostam. O facto de o carro ao baixar esconder parte da jante faz com que quase soltemos um suspiro ao ver o movimento da suspensão a ar. E já que falamos desta suspensão, resta escrever que se trata de uma suspensão TA roscada com controlador AirLift que baixa bastante este Golf, bastando ver as fotografias gerais para se perceber a forma como este Golf encosta o peito ao chão.

Os detalhes nestas jantes Bentley são impressionantes.

     Já falámos das alterações mais visíveis mas há muito mais para espreitar neste Golf. Comecemos pela frente que, sem alterações, encerra uma agressividade única. A Volkswagen encerra nos detalhes o ímpeto desportivo que pretende em cada modelo e este Golf é dos que melhor o faz. Apesar de no geral não ser um carro agressivo, não ter grandes alargamentos ou entradas de ar gigantes, saias laterais abusadas ou usar e abusar do carbono, em cada zona da carroçaria existe algo que convence quem o vê de que se trata de um desportivo. A risca vermelha tão típica dos GTi e que já vem desde o primeiro ganha aqui ampliação dentro dos faróis e condiz posteriormente com os logos e pequena insígnia localizada na lateral.

Os leds assinam a agressividade da frente.

     E é na lateral que as alterações são mais «intensas» com um rebaixamento excepcional e claro, com as Bentley douradas a certificar-nos de que este projecto é mesmo para ser visto e apreciado. Seguir a linha de perfil desde a frente com as entradas de ar mais generosas até à traseira é um deleite. Outra coisa que nos atrai neste Golf é a distância coberta pelas cavas. Se olharem com atenção, a percentagem de jante tapada é praticamente igual na frente e na traseira e não é por acaso. Medidas, alterações e cálculos foram necessários para se conseguir determinadas «proezas» nestas andanças. Além disso, consegue ver-se a simetria do espaço entre o asfalto e a base da embaladeira no início e no fim e como é sabido, a simetria atrai o olhar.

     Chegando à traseira, a simetria continua no par de ponteiras que adornam o difusor deste GTi. Novamente, nada de muito espalhafatoso ou «bruto». Apenas um difusor e duas ponteiras de diâmetro de tamanho ideal e claro, um spoiler este sim maior, generoso e bastante visível, em carbono, que nos acerca o olhar. Os farolins em led e a jantes a espreitarem nas laterais do pára-choques são a cereja no topo de um bolo que parece normal até se provar o seu sabor.

     Não queremos entrar no campo da culinária mas sim no seu interior, principalmente porque começa a chover copiosamente. Aqui entramos claramente no domínio alemão e em especial do grupo VAG. Sóbrio, com qualidade e sem folgas. O material usado é de excelente qualidade e temos detalhes preto-piano ladeado por cromados um pouco por toda a parte. O volante integralmente em pele e pespontos vermelhos tem base plana, inserção GTi e claro, uma pega no limite do perfeito. A posição de condução também está nesse patamar com as baquets Recaro SanRemo a permitir um encaixe perfeito do nosso corpo quando damos uso aos «230» cavalos que este Golf tem. E o que dizer do padrão original GTi com que este interior foi restaurado?

     A manete da caixa DSG (que continua a ser um padrão nos dias de hoje no que concerne a caixas automáticas) é uma pequena jóia, situada numa consola central com botões um pouco para tudo. São muitos os extras que este Golf tem para ajudar à condução e claro, para a entusiasmar. Este Golf por ser um VII ainda tem o quadrante analógico que apesar de parecer mais antigo por ser semelhante ao da geração anterior, tem um grafismo e qualidade de montagem melhorado relativamente ao da sexta geração. Na versão GTi da geração 7,5, o quadrante já é totalmente digital, um pouco à imagem do Audi TT RS que fotografamos recentemente para a Overlay. Uma coisa que nos chamou logo à atenção quando nos sentámos neste GTi é o aroma que o interior tem. Cuidado com produtos da AutoFinesse, este Golf é mimado periodicamente quer no interior, quer exteriormente. Além do «cheiro», também a textura dos plásticos e restante material é diferente, mais aborrachado e até mais linear, o que revela protecção.

A AutoFinesse junta-se à AWP. Em breve na secção das parcerias.

    Com a chuva a dar tréguas, voltamos ao exterior, fazemos algumas fotos dos produtos da AutoFinesse e sentamo-nos numa estrutura metálica a falar um pouco do mundo atual das alterações, dos eventos e da forma como agora são atendidos pelos participantes. Recordamos com saudade eventos em que mais do que ter o carro/projecto exposto, o importante eram as pessoas, os amigos de longa data, que muitas vezes pela distância apenas os víamos nestes eventos. Serviam tal como servem as reuniões de família, para matar saudades, passar um bom bocado, rir e claro, também se falavam dos projectos e das alterações realizadas. Agora os eventos são envoltos em polémicas, em selecções de carros, em prémios e a essência de expôr aquilo que é a nossa forma de viver o nosso automóvel perdeu-se um pouco.

    Também deu tempo para falar sobre as ideias pensadas para este Golf GTi Performance. A próxima alteração que à data de estarem a ler estas linhas já estará colocada é um update na travagem. Apesar da original chegar bem para as encomendas, os «230» cavalos são mais potentes que de origem e como tal, o rigor para travar este GTi é maior. A travagem passará para 8 pistons com discos na frente de 365 mm e atrás de 356 mm ou seja, uns pratos bem grandes para suprimir a velocidade neste desportivo. As restantes alterações estarão já pensadas mas não houve fugas de informação; resta esperar para ver. Quem pouco ou nada terá de esperar para ver este Golf GTi ao vivo são os visitantes do drop’pt, evento que irá decorrer a 25 e 26 de Maio em Amares, Braga e que terá o apoio da AWP.

error: Content is protected !!