Conde’s Focus

    Braga, 33ºC, sessão fotográfica. Parece-vos bem? A nós pareceu-nos tão bem que não nos importávamos de o voltar a fazer já hoje! Este artigo encerra a nossa «jornada» por território nortenho onde somos sempre tão bem recebidos e tratados. Reforçamos a ideia já por nós defendida antes que o povo do norte do país é incrivelmente aficionado por automóveis e facilmente esse gosto transborda para os restantes que os visitam. As nossas viagens à zona do Porto e Braga culminam sempre em sessões de fotos com muita boa disposição e disponibilidade, o que nos faz já olhar para a agenda e ver quando conseguimos lá voltar. Haja tempo! Como referimos no início deste parágrafo, este artigo do Ford Focus do Rúben Conde termina a nossa série de sessões no âmbito do evento Drop’pt que decorreu em Amares, Braga e cuja reportagem podem ver no nosso site.

     Este Focus esteve em exposição no evento mas há vários meses (não obstante, diríamos mesmo mais do que um ano) que o Rúben nos tinha abordado para realizar estas fotografias. E em bom tempo o fez, pois este Ford é talvez um dos melhores projectos nacionais nesta base. Os detalhes que encontramos surpreendem e chamam a lente fotográfica de uma forma quase encantada, embruxada. A temperatura elevada durante a sessão fotográfica não evitou que nos deitassemos no chão para conseguir os melhores ângulos deste Ford que, convenhamos, está mesmo bem conseguido.

Os ângulos são parecidos, mas este projecto merece.

   E onde estamos? Os mais atentos já reconheceram o local: Sameiro. O local de culto e migração de católicos a norte da cidade de Braga e no topo de uma das «mecas» automóveis nacionais, a Rampa da Falperra, foi o local escolhido para realizarmos estas fotografias. Antes tivemos direito a percorrer a referida rampa em passo mais apressado para servir de mote inspiratório para o uso da máquina fotográfica. Mas quando nos deparamos com este projecto e o analisamos, essa inspiração surge automaticamente; portanto a subida da rampa foi mesmo uma desculpa para nos entretermos ao volante, como qualquer petrolhead que se preze.

    Mas voltemos uns dias atrás até ao evento. Este Ford apesar de não ter recebido nenhum prémio no Drop’pt, está num nível muito bom e é apreciado por muitos. Enquanto estivemos junto do mesmo no evento, foram vários os comentários positivos sobre a postura e estilo deste projecto, principalmente na referência ao set rolante e à forma como tudo encaixa de forma linear sem necessidade de peças aerodinâmicas abusadas ou de um estilo mais agressivo. No areal da praia fluvial da quinta onde decorreu o evento, o estilo deste Focus não passou despercebido a ninguém e serviu de aperitivo à sessão que aqui vos mostramos.

   De almoço tomado, rumamos então até ao Sameiro. O facto de ser segunda-feira e estar muito calor fez com que tivéssemos o santuário quase por nossa conta e o parque de estacionamento tornou-se o nosso campo fotográfico e até deu para umas fotos em andamento (cujo resultado está reservado para o fim deste artigo). O Ford Focus do Conde, como é conhecido, tem uma presença interessante. Quando estacionado faz-nos ficar a admirá-lo, como se uma top-model se tratasse; as suas curvas pronunciadas e design simples (típico do final da década de 90 e início do novo milénio) são a chave para se conseguir este resultado clean e fresh, como tem sido cada vez mais «apregoado» pelos aficionados deste estilo.

     Apesar de parecer um projecto simples, este Focus tem detalhes que merecem ser analisados e referenciados, nomeadamente a utilização de peças do modelo mais desportivo, o mítico Focus RS bem como do ST e da versão americana SVT. A frente tem o pára-choques desportivo (diferente do que podemos encontrar no Focus RS MK1) e os bonitos faróis com olho de boi da Hella. Tudo foi mantido de forma mais original possível mas com toques de modernidade e linearidade de forma a não destoar no produto final. A base do pára-choques tem vincos laterais que aumentam a agressividade da frente e conduzem o olhar até à lateral.

    A vista de perfil é talvez a mais interessante deste projecto. A forma como as linhas fluem mostram que já há quase 20 anos se faziam automóveis com interesse ao olhar e que bastam uns toques para ficarem impecáveis. A embaladeira do modelo RS continua a tal lineariedade da frente sem floreados e sem abusos; as capas de espelho em carbono complementam o estilo na lateral deste Ford. O grande destaque aqui vai para as bonitas jantes Artec Turbo (frente 8,5J – 205/35r18; trás 9,5J – 215/35r18) que encaixam neste Focus devido à alteração da furação das mangas de eixo de 4×108 originalmente para 5×112. Ainda no sector rolante destacamos a travagem frontal de 320 mm do modelo ST225, Falta ainda falar da suspensão que neste projecto está a cargo dos bags da A2K com gestão Airlift 3p.

Emblemas Porsche, ficam sempre bem!

    Chegamos à traseira e a simplicidade aqui é mantida. Destaca-se do restante o aileron do ST170 e a ponteira de escape em inox. Não há difusores abusados, apenas o de origem que engloba o farol de nevoeiro inglês que combina com os farolins SVT (que são mais simples, com mais «vermelho»). Mas é deste ângulo que percebemos a intenção do dono deste Focus: manter as linhas originais, com toques OEM de forma a ter mais agressividade no conjunto sem exageros. Objectivo cumprido.

     Abrimos as portas e aproveitamos para nos escondermos do sol que nos queima os braços. Mais uma surpresa: até ao dia da sessão achávamos que este Focus era comercial mas tem cinco lugares, o que o faz ainda mais «raro» no grupo de MK1’s alterados. E no habitáculo também há modificações bem interessantes. A que salta logo à vista são as baquets em pele e os detalhes em carbono nas consolas central e zona da alavanca de velocidades cuja moca e o punho de travão de mão provêm do Focus RS. Para melhorar o ambiente e estilo, o volante e foles da alavanca de velocidade e travão de mão foram estofados em pele com pesponto azul; relativamente ao sistema de som e multimédia, a escolha recaiu no rádio Alpine 2din, com uma qualidade de som bastante interessante.

Confortáveis e versáteis estas baquets.

    Interior fotografado, damos uns passos atrás. Apesar de já termos fotografado todos os ângulos e detalhes e correndo risco de nos repetirmos nas fotos, não resistimos em continuar a clicar no botão da máquina fotográfica. O local, a paz e o projecto em si, tudo se conjuga para continuarmos a captar imagens do Focus do Conde, enquanto o dono falava um pouco mais do projecto e das amizades feitas através dele, especialmente por presenças em eventos e ao pessoal envolvido na montagem e preparação do projecto. Não mencionou nomes mas alguns deles estão presentes no projecto em formato de sticker.

    Já com o portefólio cheio chegava a hora de nos despedirmos do Ruben e dos seus amigos que o acompanharam. A tranquilidade do local fez com que nos perdêssemos um pouco na conversa e o tempo foi fluindo de forma rápida. Dado que ainda nos faltava fazer alguns quilómetros, despedimo-nos do grupo com a certeza que em breve nos veríamos pois a agenda de eventos de 2019 ainda agora começou.

error: Content is protected !!